A Mãe Natureza pede socorro...

A Mãe Natureza pede socorro...

terça-feira, 16 de agosto de 2011

As pedras do caminho

Caminho o meu caminho
E nos lugares que passei

As pedras do caminho
São do pranto que chorei...

(Poema do Adeus, composição de Luiz Antonio)

Miltinho cantando, então...
Nossa, não tem pra mais ninguém!

19 comentários:

  1. Tenho estado mt doente.
    Meu cansaço é meio louco...
    Mas já ñ te visito há um tempo e...dei uma passadinha.
    Beijo.
    isa.

    ResponderExcluir
  2. Excelente escolha, lindo poema. Quantas pedras vamos encontrando ao longo do nosso camnho.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  3. Amiga,


    Lindo demais! Vou procurar a música e ouvi-la agora! Maravilhosa imagem acompanha.

    Beijos com carinho amiga. Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. ... mas as pedras do caminho não são fáceis de ultrapassar...

    ResponderExcluir
  5. Vanuza

    No adeus, de Luiz António e olhando a tua ilustração, podemos trautear assim: as pedras do caminho vão dizendo baixinho... adeus...
    Beijos querida amiga

    ResponderExcluir
  6. São tantas e variadas as pedras que encontramos ao longo do caminho!...
    Boa escolha
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Sáo nosso aprendizado, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  8. Calma tudo tem geito
    nessa vida.
    Não faz sentido perder o juiso
    se hontem nada deu certo.
    Se você tem fé ..Tem Amor
    mais nada vai bem contigo.
    Alguma coisa ainda te falta
    consulte no fundo do seu coração
    algo que sem perceber você deixou de lado.
    Deus sabe quanto agradeço por ser sua amiga.
    Um abençoado final de Domingo.
    Bjs no coração,Evanir.
    Eu Amo..Amar Você

    ResponderExcluir
  9. Um barco parado no cais de espera
    Amarras soltas do frio ferro
    Uma gaivota adormeceu sem penas
    Uma criança chora no meio do aterro

    Cheio de penas amarro a alma
    Uma saudade arrocha meu peito
    Sou um caçador de nuvens breves
    Um romântico sem ponta de jeito

    Um barco de papel perdido do norte
    Roseira plantada num campo de pedras nuas
    Uma casa perdida da sua cidade
    Um labirinto feito de mil e muitas ruas


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  10. Olá Vanuza, bela fotografia e poema...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  11. Amiga venosa, me agrada tu post, bonita fotografía y bello aunque corto poema.
    Cuando puedas pasa por mi blog y llévate el premio AMISTAD que di con motivo de mis 60 años,el día 27 de junio, lunes espero sea de tu agrado
    Con ternura
    Sor.Cecilia

    ResponderExcluir
  12. O Martin Pescador é um passaroco lindíssimo!


    Bjssss

    ResponderExcluir
  13. Querida amiga; belo poema! Infelizmente em nossos caminhos, muitas pedras existem. Mas são elas que nos levam ao amadurecimento e nos ensinam as lições da vida.
    Bom fim de semana! Beijos

    ResponderExcluir
  14. O poeta Calado continua apaixonado pela natureza e aqui nos deleitamos nela, bjoss amiga.

    ResponderExcluir
  15. As pedras necessárias do caminho, se encaradas com sabedoria são indicações de que vivemos!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  16. Querida amiga
    Hoje eu vim pensando um pouquinho em meu sonho
    por favor clique no Link

    http://www.mariaalicecerqueira.com/2011/08/prezado-amigo-leitor-e-seguidor-me.html

    Muito obrigado de coração

    abraço amigo
    atenciosamente
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  17. .


    O seu email não está no seu
    blog. Que pena...

    Beijos,

    silvioafonso





    .

    ResponderExcluir

Fale pouco e bem baixinho que é pra não espantar passarinho...